Tratamentos

 

Psicoterapia Cognitivo-Comportamental para adultos e casais

A abordagem da Psicoterapia Cognitivo-Comportamental está científicamente baseada na teoria de que cada sujeito apresenta crenças que agem sobre seus pensamentos, emoções e comportamentos. Assim, um sujeito pode monitorar, gerenciar e reorganizar suas crenças e pensamentos, conseguindo modificar suas emoções e comportamentos de uma forma mais adaptada ao ambiente ou meio em que vive.

Atendemos pacientes adultos, idosos e casais com a abordagem da Psicoterapia Cognitivo-Comportamental. As dificuldades são transtornos de humor como depressão e bipolaridade, transtornos de ansiedade como fobias, preocupações e pânico, transtornos alimentares como anorexia nervosa e bulimia nervosa, dificuldades sexuais e de relacionamento, conflitivas familiares e de casais, problemas de personalidade ou modo de funcionamento no dia a dia..

Com um ambiente adequado para um tratamento psicológico clínico, oferecemos um atendimento ético e científico com qualidade, confiabilidade e eficiência para os pacientes, buscando maximizar os efeitos da psicoterapia para que os clientes tenham os melhores resultados no prazo mais breve possível.


 

Tratamento Psicológico Cognitivo-Comportamental para crianças e adolescentes.

O tratamento psicológico de crianças e adolescentes tem sido considerado não apenas como uma medida terapêutica, mas principalmente como uma forma de prevenção de doenças mentais e de promoção de qualidade de vida. Além disso, avaliações e diagnósticos precoces na infância são importantes, visando a tratamentos mais eficazes e prevenção de psicopatologias na vida adulta. A abordagem da Psicoterapia Cognitivo-Comportamental com crianças e adolescentes tem como base a criação de linguagens (muitas vezes não verbais) para acessar o funcionamento cognitivo (pensamentos e crenças) da criança e do adolescente, e com isso trabalhar as emoções negativas e os comportamentos disfuncionais. Além disso, o tratamento com crianças também tem outro ponto diferencial quando comparada à Psicoterapia com adultos, como a intervenção com os pais que pode ser necessária principalmente com crianças muito pequenas de 0 a 6 anos.

No atendimento a crianças e adolescentes, é fundamental que o terapeuta obtenha uma compreensão global do funcionamento da criança nos seus diversos contextos e consiga identificar os aspectos e/ou sintomas que dificultam sua adaptação na rotina diária em casa, na escola e com a família, assim como o papel que os aspectos cognitivos exercem na etiologia dos problemas e transtornos. Há também a necessidade de uma avaliação diagnóstica devidamente conduzida.

A seguir estão algumas intervenções lúdicas utilizadas no consultório, com crianças e adolescentes:

– Técnicas para identificação de pensamentos e sentimentos;
– Utilização do Baralho das Emoções;
– Utilização do Baralho de Pensamentos e Comportamentos;
– Técnica do relógio dos pensamentos e sentimentos;
– Técnicas de elaboração de histórias;
– Técnicas da psicoeducação cognitiva, emocional e comportamental com a criança através de metáforas, histórias ou personagens; e com os pais;
– Técnicas lúdicas para solução de problemas;
– Técnicas comportamentais para reduzir a intensidade e frequência de comportamentos disfuncionais e aumentar a frequência de comportamentos desejados;
– Técnicas lúdicas de relaxamento para crianças ansiosas;
– Técnica de Economia de Fichas que serve para ajudar as crianças a aumentarem os comportamentos adequados;
– Técnicas lúdicas cognitivas, como a Analogia do Semáforo que ensina a criança a identificar e classificar os diferentes tipos de pensamentos em: “pensamentos vermelhos”, aqueles improdutivos, negativos e que impedem o bem-estar; “pensamentos amarelos”, que servem para refletir; e os “pensamentos verdes”, que são produtivos e que incentivam o bem-estar;
– Técnicas lúdicas para ajudar as crianças a compreenderem e transformarem pensamentos negativos em pensamentos positivos.

Todas as intervenções utilizadas tem como objetivo avaliar e modificar pensamentos e crenças negativas ou desadaptativas que a criança ou adolescente tem sobre si mesmo, sobre os outros, e sobre vários contextos da sua vida. Além disso, as intervenções visam diminuir as emoções negativas e reforçar as positivas, bem como trabalhar sobre os comportamentos disfuncionais. Assim, a clínica infantil pode garantir um desenvolvimento saudável ao longo do ciclo vital, sendo que o trabalho cognitivo-comportamental com crianças e adolescentes é dinâmico, estimula a criatividade e é gratificante.


 

Psicoterapia Cognitiva Focada em Esquemas Mentais

A Psicoterapia Focada em Esquemas é um tipo de atendimento dentro do modelo cognitivo-comportamental inicialmente utilizada para o tratamento de transtornos de personalidade (borderline, narcisista, evitativo, obsessivo-compulsivo, etc), e que atualmente também pode ser estendida a pessoas com outros transtornos clínicos.

Pessoas podem possuir traços de personalidade ou modos de funcionamento muito inflexíveis e mal ajustados à sociedade e interrelações pessoais, com pouca aderência e motivação para a psicoterapia. A Psicoterapia Focada em Esquemas possui algumas variações frente à Psicoterapia Cognitivo-Comportamental tradicional. Os Esquemas Mentais de cada pessoa são formados por memórias, emoções, sensações corporais e cognições (pensamentos e crenças) e constituem a base para a avaliação das experiências e estímulos que as pessoas encontram e lidam no seu dia a dia.

A meta deste tipo de psicoterapia é aumentar o controle consciente do paciente sobre os seus esquemas. Para isso, são trabalhados alguns pontos, os quais visam auxiliar e facilitar esse processo para o paciente, sendo o enfraquecimento das memórias, sensações corporais, cognições e comportamentos ligados ao esquema, parte desse trabalho. A consciência psicológica, ou seja, a percepção e atenção do paciente frente a seus esquemas que causam sofrimento, e quando eles estão sendo ativados ou perpetuados (reforçados), é objetivo fundamental a ser perseguido na psicoterapia.

Esse ponto é essencial na Psicoterapia Focada em Esquemas, pois caso o paciente não tenha essa consciência, ele não tem possibilidade de mudar o rumo dos pensamentos e comportamentos que reforçam o esquema mental ou modo de funcionamento. Assim, há a repetição crônica de padrões negativos provindos da infância e recriação involuntária, na vida adulta, das condições prejudiciais da infância que mantém os esquemas, além de permanecer à mercê do mesmo e tornando-os cada vez mais fortes e arraigados. Neste tipo de psicoterapia, os pacientes começam então a ter uma visão mais positiva de si mesmos, melhoram as suas relações interpessoais, escolhem relacionamentos mais amorosos, e respondem à ativação de seus esquemas de forma mais saudável através da consciência psicológica dos mesmos.